sexta-feira, junho 27, 2008

A estátua e o morto


na praça João Pessoa
do centro
de Bananeiras,

tem uma estátua preta
daquelas de dar pavor
até em morto,

corroída por fora
e por dentro

com rugas
que foram plantadas
pelo descuido
e
pelo tempo.

João Pessoa, o próprio,
numa noite
dessas qualquer,

talvez numa noite
de São João,
ou ainda, talvez,
numa outra anoitecida
em solidão,

e falou assim
baixinho,
quando viu
sua estátua:

- Nego.

desse jeitinho,
sem a altivez
e exclamação
de outros momentos.

limitou-se a sentar
num banquinho
e a falar consigo mesmo

nostalgiando
as histórias da vida

e expulsando
sua única saudade:
da morte.

André Espínola

4 comentários:

Rogers.Silva disse...

cara, seus poemas são excelentes - tanto estrutural quanto conteudísticamente.
continue nessa, q é essa sua área.
abçs.
rogers silva.

Thiago Ya'agob disse...

Boa tarde, André!

Escrevo para parabenizá-lo por tão belo texto.

Gostei da forma com que você "brinca" com as palavras.

Assimbaixinho... sentarnum,...

Isso deu uma beleza ímpar ao poema.

Um grande abraço.

Shalom!

Vinícius Remer disse...

Um tanto quanto bêbedo seu personagem, vida de poeta.
Excelente sua poesia.
Também gosto, visite meu blog
tem algumas minhas.

Anônimo disse...

酒店經紀PRETTY GIRL 台北酒店經紀人 ,酒店經紀 酒店兼差PRETTY GIRL酒店公關 酒店小姐 彩色爆米花酒店兼職,酒店工作 彩色爆米花禮服店, 酒店上班,酒店工作 PRETTY GIRL酒店喝酒酒店上班 彩色爆米花台北酒店酒店小姐 PRETTY GIRL酒店上班酒店打工PRETTY GIRL酒店打工酒店經紀 彩色爆米花酒店兼差,酒店,